Resposta à Época

Caro Guilherme, colunista da Época.

Sobre a nota em sua coluna, “Agencia de cliente de Wajngarten fechou contrato milionário com Apex” pediria que você esclarecesse aos seus leitores.

A nova/sb não “ganhou” a conta da Apex. Ela concorreu com outras 11 empresas de publicidade, ficou em primeiro lugar na pontuação final, dentre as 6 classificadas. Durante o prazo de recurso (onde as demais agencias podem contestar algum erro na proposta das concorrentes) a nova/sb respondeu a dois recursos impetrados por concorrentes. Após verificação dos argumentos e contrarrazões (jurídicos e técnicos) apresentados, a nova/sb foi confirmada como vencedora, comprovando a qualidade técnica da sua proposta.

A maneira como a nota foi publicada, pode sugerir interpretação de que o contrato assinado entre a Apex e a nova/sb não passou por processo de concorrência.

Quanto ao contrato com a FW, também citado na nota, ele é feito conjuntamente pelas três agencias que atendem a Caixa, vem desde 2010. A empresa FW foi escolhida para fazer o checking e análise de mercado, por ter especialidade e ter oferecido o menor preço. A parte da Nova/sb é de R$ 1.500,00 mensais.

Ao contrário do que afirma a nota ao usar a expressão “contrato milionário”, a nova/sb, ao longo de 2019, teve seu faturamento reduzido em um terço no atendimento de contas do governo federal e demitiu muitos de seus funcionários.

Para uma empresa como a nossa, única do mercado brasileiro a deter o selo Pró-ética concedido pela CGU, uma nota como a publicada por você, que dê interpretação diferente da realidade, faz um estrago muito grande.
Por isso me coloco a disposição para qualquer esclarecimento.

Obrigada

Ana Cristina Oliveira – Assessoria imprensa Nova/sb